25/05/2017

De Baby a Smart – Minha evolução mobile

Celulares

Alow! Olá novamente interneteiros,

Neste segundo post vou falar um pouco da minha evolução mobile, ou seja, dos aparelhos que já tive e um pouco das utilizações que fiz de cada um deles. Não vou dar detalhes de configurações ou datas de aquisição, até porque eu sequer me lembro destas informações.

Meu primeiro celular ganhei do meu pai quando eu tinha entre 15 e 16 anos. Era um pré-pago que estourou em vendas na época, da antiga Telesp Celular, o LG 330W. Vinha numa caixinha personalizada da Telesp com a foto de um bebê e era conhecido como “Baby”, vocês se lembram? A função principal, e praticamente única, deste aparelho era ligar. Na verdade receber chamadas, já que o minuto do pré-pago era muito caro e eu vivia sem créditos. Além disso, era um ótimo despertador e passatempo em filas (de banco, supermercado, etc…).

Fiquei com este aparelho por uns 3 ou 4 anos. Cansei da Telesp Celular, que já estava em movimento para virar VIVO, e mudei para a recém chegada ao mercado TIM. Comprei um chip, também pré-pago, e fui a caça de opções nas lojas da marca e de eletro-eletrônicos. Foi quando comprei o Siemens S45. Lembro que fiquei feliz pra caramba, afinal meu celular agora já não servia só pra ligar!

Fui atrás do significado de algumas funções que constavam na caixa como GPRS e IR (infrared) e descobri que podia conectar meu celular a outros celulares ou equipamentos com o IR. Além disso, poderia fazer conexão com a internet. Isso era o futuro…! Mas para que iria utilizar toda essa tecnologia? Bom, no início só usava mesmo para trocar ringtones entre amigos. Logo depois mudei para um plano pós-pago para assim poder conectar a internet. O problema é que esse aparelho não tinha email client nem um browser decente. O jeito foi investir num Palm, o Tungsten E.

Agora, com o Palm e o S45 podia navegar na internet (com um navegador melhor), receber e enviar e-mails e acreditem, falar no MSN. Aproveitei também e passei organizar minha vida e compromissos no Palm, lá tinha minha agenda de telefones e muitas das anotações de faculdade. Comecei a gostar da idéia de ter um “computador” na palma da mão e comprei um teclado para ele. Agora era mais fácil de escrever textos e trabalhar com planilhas. Havia só um inconveniente: por não ter bluetooth, quando ia conectar precisava ficar apontando a saida infra-vermelho do celular com a do Palm. A conexão, que já era ruim, quase sempre caia.

O tempo passou mais um pouco e novas opções começaram a aparecer no mercado: telas coloridas, toques polifônicos e câmeras digitais. Tudo isso integrados no telefone celular. Como já era uma pessoa “online”, senti a necessidade de entrar neste mundo também. Postar no blog fotos que acabara de tirar, ou enviá-las aos amigos por email era sen-sa-cio-nal.

Como estava com Siemens, e gostava dele, resolvir por optar por um modelo da mesma marca que coubesse no meu bolso. Faço um parêntese aqui para dizer que, infelimente, não nasci em berço de outro e nunca tive muito recurso para investir nessa minha paixão que é a tecnologia e mobilidade. Me esforço para comprar meus gadgets, mas nem sempre conseguia comprar o “top” ou aquele modelo que eu queria.

Bom, voltando ao assunto e deixando o chororô, comprei o Siemens C65. E com ele aprendi uma nova palavra que mudou minha vida: Bluetooth. Era um sonho que se realizava não precisar ficar apontando o IR para o outro aparelho. Confesso que esse aparelho era meio fraquinho na minha opinião, mas tinha suas funções bacanas para a época. Câmera VGA, T9 para escrever os SMSs, MMS e toques polifônicos  eram algumas delas. O problema do MMS é que eu lembro que poucos ou nenhum dos meus amigos tinham celular que enviavam ou recebessem MMS, ou seja, nem usava essa maravilha.

Nessa altura, por ser um cliente “bom” da TIM comecei a receber ofertas de novos planos e aparelhos. Foi numa dessas ofertas que fechei um plano chamado INCRIVEL 500. Era a revolução da telefonia móvel. Coisa que hoje nenhuma operadora faz no mercado. A TIM nitidamente precisava ganhar market share e oferecia ao mês 500 minutos (sendo 400 para fixo e TIM e 100 para demais celulares), por apenas R$ 90,00. Pasmem, é isso mesmo: noventa reais (quando cancelei estava R$119,00, salvo engano meu. Mudei de plano em 2009, pois não permitia pacote ilimitado de dados).

Além da oferta do plano recebi um crédito que poderia utilizar para compra de um celular novo. Optei por um com uma câmera melhor, mais memória e com mais dois avanços, MP3 e rádio. Com isso, os toques poderiam ser truetones e eu poderia escutar minhas músicas prediletas. Dentre as opções escolhi o Sony Ericsson W600, um excelente aparelho. Agora além de toque polifônicos eu teria true tones, ou seja, toque de celular com música de verdade em MP3. Este aparelho tinha uma memória interna de 256Mb para armazenamento. Nele comecei a ouvir os primeiros podcasts. A partir desse momento já havia a necessidade maior de conexão, além de recebimento e envio de email em trânsito. A conexão à internet via EDGE do W600 era uma revolução (alcançava ~200kbps no EDGE contra ~45kbps do GPRS). Pois bem, com o W600 conseguia configurar meus emails POP e, através de um programinha (Ninbuzz – farei um post só dele) conectava o MSN.

O  bluetooth já estava incorporado na minha vida, então decidi trocar meu palm por um que pudesse conectar sem precisar tirar o celular do bolso ou da mochila. Gostava muito do meu Tungsten E, e por isso escolhi um bem parecido, porém é claro com mais recursos, como por exemplo tela maior, memória interna de 128Mb, o tal o bluetooth e uma novidade mais que especial, Wi-fi. O escolhido da vez foi o Paml TX. Outro excelente aparelho, exceto pelo Sistema Operacional Palm OS que deixa muito a desejar em aplicações, inclusive sendo a maioria paga (e bem cara).

Com o W600 e o TX estava feliz com o que conseguia executar fora de casa e do escritório. Tive um problema com a bateria do celular e não encontrava para troca e mais uma vez aproveitando o desconto da TIM troquei o aparelho para o Sony Ericsson W580. Este aparelho foi muito vendido pelas operadoras TIM e Claro e acredito que esteja em venda até hoje na versão W580i. As vantagens eram: expansão de memória através de cartãoMemory Stick Micro (W600 não havia essa possibilidade), câmera de 2Mp (o W600 tinha de 1.3Mp) tamanho e peso em relação ao meu anterior. Mesmo com esses benefícios eu ainda gostava mais do W600.

Como já havia dito, no W600 já conseguia configurar emails POP e instalar o Nimbuzz. Com a vinda do W580 o Palm TX passou a ser mais um backup de agenda telefônica, organizador de compromissos e editor de textos e planilhas. Aos poucos fui diminuindo seu uso por ter sempre que carregar dois aparelhos, dois carregadores, mais teclado e capas diversas.

No início de 2009 havia decidido que compraria um Smatphone e juntar as funções de celular com computador de mão. Não tinha muitas referências pessoais e opiniões de amigos sobre este “novo” tipo de aparelho que estava crescendo em vendas no mercado. Nesta época eu frequentava reuniões quase que diárias com uma empresa de comunicação e tecnologia, para implantação do novo call center na empresa que eu trabalho e muitos executivos de lá tinham o mesmo smartphone, o Nokia E71. Recolhi algumas impressões e um deles, que havia comprado a pouco tempo o aparelho, o deixou comigo por um dia para “experimentar”. Confesso que foi amor a primeira vista… Duas semanas depois estava com o meu E71.

Hoje, faço praticamente tudo nele: desde receber e enviar emails via servidor Microsoft Exchange até editar documentos Office . Cada função e atividade do E71 possui seu aplicativo específico que na maior parte das vezes é gratuito ou bem barato. Como é meu aparelho atual, farei posts dedicados a ele, suas funções e aplicativos que mais uso ou que faço download para experiências. Sei que existem dezenas, ou melhor, centenas de blogs dedicados a este maravilhoso aparelho. Na verdade, o que pretendo fazer aqui é contar minhas experiências e uso pessoal para contribuir com o usuário à obter o máximo de seu E71.

Abraços e até o próximo post.

Daniel Françoso
[email protected]

Sobre Daniel Françoso

Com 32 anos, tecnólogo em Organização e Gestão de Eventos e bacharel em Turismo pela Universidade Anhembi Morumbi. Possui mais de 15 anos de experiência em diversos segmentos do turismo (companhia aérea, operadora de turismo, agencia de turismo, turismo de luxo, corporativo e MICE). Atualmente é Controller em uma agência boutique e empresário. Curioso e grande entusiasta de tecnologia, mobilidade e mídias sociais, teve iniciativa de desenvolver este blog.

2 comentários

  1. Jdallomo@gmail.com'

    Dani, achei o seu artigo sobre sua historia dos celulares muito bem fundamentado e de grande utilidade para os interessados no assunto. Gostei muito da maneira como coloca a sua experiencia. Parabéns e muito sucesso…seus “seguidores” estarao esperando ansiosamente novas notícias! Grande beijo, Ju.

  2. caiosalutte@hotmail.com'
    Frango Futebol Americano

    E ae Daniel, muito bacana o seu blog!!!

    Adoro conversas sobre tecnologia e prometo que sempre que possível eu passarei por aqui em buscas de novas postagens.

    Parabéns e até mais….

    PS: Até um mês atrás eu também estava com um E71 e o aparelho é realmente maravilhoso, mas por conta de diversos aplicativos que me interessavam eu acabei pegando um iPhone.

Deixe uma resposta para Juliana Cancelar resposta